Haute Couture : Você sabe o significado? Vem saber !

Haute Couture ( do francês)  significa  ” Alta Costura ” , teve origem na França com objetivo de preservar técnicas artesanais de corte e costura.O que a caracteriza,   é a moda exclusiva, produzida à mão, desde as costuras até os bordados , com materiais de alta qualidade, ou seja,  quando uma Maison atende aos rígidos critérios técnicos e de qualidade que a define.

E,  quem define o que é Haute couture?

Quem define o que é  Alta-Costura é a Chambre Syndicale de la Haute Couture, que, anualmente, revê o grupo de marcas . O termo é legalmente protegido e controlado e, só pode ser usado pelas casas que receberam essa designação pelo Ministro da Indústria na França. É um título de excelência do trabalho; só empresas que se enquadram nos critérios e padrões de criação e execução de vestuário sob medida é que recebem essa designação do Ministério da Indústria da França.

Chanel ( Foto; Divulgação)

Na França, hoje, a alta costura tornou-se uma denominação que goza de proteção jurídica e que só pode ser usada por empresas que atendam a determinadas regras rígidas, a exemplo, como ter um ateliê em Paris, empregar ao menos um staff em tempo integral de 15 pessoas, faz

 

Algumas peças podem chegar a até 1000 horas de trabalho feito pelas mãos mais habilidosas do mercado. Normalmente, horas, dias e até semanas são gastos na confecção de uma peça de AC. É uma obra de arte, só que usada no nosso corpo.

A Alta-Costura tem a ver com técnica e não com valor. É um segmento com pouquíssimos clientes e que não rende lucros para as empresas. O Tapete vermelho é  uma vitrine, para inspirar glamour e sonho,uma forma de mostrar suas maiores habilidades técnicas e criativas. Todos os limites são mais elásticos,  como se fosse uma estratégia de marketing.O tapete vermelho é fundamental e uma das justificativas de a Alta-Costura ainda existir.

A alta-costura passou a ser mais uma fonte de inspiração, assim como os filmes, a cultura, etc. e as coleções são usadas como propaganda para promover as diversas linhas de produtos (cosméticos, perfumes) de corporações como LVMH (Louis Vuitton, Moët, Henessy) e vender as criações como demi-couture ou sob licença

As redes sociais tem ajudado a Alta-Costura a se tornar um mundo de inspiração e delírio mesmo para quem não pode comprar. E ainda dita tendências, caso dos  tênis vistos nas passarelas de AC da Chanel e Dior.A Chanel viu suas vendas de Couture aumentarem 20% com a coleção de Verão 2014. E no início do mesmo ano, a Valentino esperava um aumento de até 35% nas vendas do segmento, segundo o WWD.

Basicamente, hoje três coisas definem a Alta-Costura: criatividade, expertise antiga e dinheiro novo.

No calendário atual, desfilam as marcas Chanel, Dior, Schiaparelli, Maison Margiela, Atelier Versace, Zuhair Murad, Elie Saab, Bouchra Jarrar, Stéphane Rolland, JPG, Viktor & Rolf, Adeline Andre, Ulyana Sergeenko, Fendi, Giorgio Armani Privé, Alexis Mabille, Maurizio Galante, Alexandre Vauthier, Giambattista Valli, Ralph & Russo, Dice Kayek e Franck Sorbier,

 

Chanel (Foto; Divulgação)

Quem consome?

Estima-se que há cerca de quatro mil clientes de Alta-Costura no mundo e, elas não estão preocupadas com preço. Uma peça mais simples  pode começar nos US$ 10 mil, de acordo com um artigo publicado no “The Telegraph”. Já para os modelos noite, o preço chega na casa dos milhões quando pedras preciosas são usadas. Para se ter uma ideia, Jean-Paul Gaultier diz que de todas as suas clientes,ou melhor, na Alta-Costura elas são colecionadoras, cerca de 60, consomem Couture;

Algumas clientes olham para a Alta-Costura com naturalidade. “É como mandar fazer um terno na Savile Row”, simplifica Daphne Guinness, adepta do Couture há 30 anos, referindo-se à luxuosa rua dos alfaiates em Londres.

Há também, entre as marcas, uma percepção de que a idade da compradora está diminuindo. A Dior diz que a faixa etária baixou de 40 anos para 30. Veja algumas razões: 1) as roupas são mais usáveis hoje do que antigamente; 2) jovens consumidoras milionárias fazem vestidos de noivas e outras celebrações importantes com estilistas de Alta-Costura, sendo sua “passagem” para esse universo de luxo sem fim; 3) elas logo passam a ser paparicadas pelas marcas e recebem convites de fila A para ver os desfiles e, sem seguida, fazer suas encomendas; 4) é um sinal de status dentro de seu grupo e nada mais original do que uma peça de AC, feita sob medida, ao seu gosto.

O dinheiro vem de família ou de casamentos milionários, que resultam em verdadeiras histórias de Cinderela. Há muitos casos de mulheres que tiveram uma vida dura, trabalharam como garçonete ou modelo b, mas casaram-se com bilionários, normalmente magnatas russos do mercado imobiliário, ou sheiks.

Outra fatia de público que está aquecendo o segmento são as empresárias da área de tecnologia, maduras profissionalmente, porém ainda jovens, e que ganham uma fortuna por mês.

Também, muitas blogueiras desfilam Alta Costura e exibem em seus blogs fashion, causando um verdadeiro delírios em suas fiéis seguidoras.

Um porta-voz da Atelier Versace já disse que as brasileiras encomendam pela internet e depois vão para a Itália fazer as provas de roupa.A produção da Haute Couture envolve uma apurada técnica manual na construção de cada peça, pois deve estar precisamente adaptada ao cliente. A primeira etapa é feita com o toile (tecido muito fino de linho ou algodão). O toile é então aberto para ser transferido para o corte. A segunda prova é feita com o traje alinhavado, de forma a verificar os ajustes finais e a terceira prova é realizada com a peça praticamente finalizada no corpo da cliente.

Paris ainda se mantem como epicentro da moda, reforçando o estatuto criado no século XIX, quando era a capital artística e cultural da Europa. Ainda hoje em Paris encontram-se os grandes escritórios de design, as escolas, os fornecedores, criadores e showrooms das principais marcas que formam as indústrias da Haute Couture e do Prêt-à-porter. O estilo da moda francesa é caracterizado pela limpeza na silhueta e corte complexo, pelo caimento que acompanha o corpo, pela valorização dos métodos tradicionais de alfaiataria e de técnicas precisas à mão. Os tecidos leves e delicados e o acabamento impecável.

Fazem parte da Federação:

-Chambre Syndicale de La Haute Couture, presidida por Didier Grumbach; seus membros incluem empresas designadas Maisons de Haute Couture.

-Chambre Syndicale Du Prêt-à-Porter des Couturiers et des Créateurs de Mode, criada em 1973, é presidida por Guillaume de Seynes (Hermès) e é formada por casas de alta-costura ou designers de pronto-a-vestir.

-Chambre Syndicale de La Mode Masculine para empresas de pronto-a-vestir masculino é presidido por Thierry Andretta (Lanvin).

A Federação promove estratégias de crescimento, proteção e formação para o setor de moda. Para tanto estabelece os calendários dos desfiles de moda para alta-costura, e pronto-a-vestir masculino e feminino:

Janeiro e Julho – 30 desfiles de Alta-costura e 40 desfiles de moda masculina;
Março e Outubro – 150 desfiles de moda para pronto-a-vestir feminino.

A Federação trabalha em parceria com a organização de Milão para estabelecer uma programação coerente entre as semanas de moda europeias.

O lucro dos desfiles e das vendas das casas de alta-costura atualmente procede de fabricantes e varejistas que pagam um valor determinado para assistir aos desfiles, conforme o objetivo: alguns buscam a ideia geral e compram o direito à inspiração. Outros compram o direito de reproduzir o modelo completo ou o molde em toile com a especificação dos detalhes, amostra do tecido e acabamentos.

Assistam um desfile Haute Couture ( Dior 2017) por Vogue:

 

 

E aí, meus amores, gostaram?

Podem opinar

#MuitoGlam

Beijocas, Mil!

 

 

 

 

 

 

 

 

Você pode gostar de

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *